Acessibilidade: A+ A() A-

NOTÍCIAS

No Amapá, mulheres discutem efetivação de políticas públicas de saúde

Por: ascom/sesa - 13/07/2017 - 10:14
Foto: ascom/sesa

Discussão apoiada pelo governo é retomada após 30 anos. Evento antecede Conferência Nacional de Saúde das Mulheres que trará novas políticas para mulheres

Com o tema central “Saúde das mulheres: desafios para a integralidade com equidade” iniciou-se, na noite desta terça-feira, 11, no Amapá, a etapa estadual da II Conferência Nacional de Saúde das Mulheres, com o objetivo de propor diretrizes para a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde para o público feminino. O evento é promovido pelo governo do Estado e coordenado pelo Conselho Estadual de Saúde (CES).

O evento se estende até quinta-feira, 13, e reúne mais de 200 delegações de conselheiros dos 16 municípios do Estado para discutirem a efetividade das políticas públicas atuais e as novas propostas voltadas à equidade no atendimento feminino no Sistema Único de Saúde (SUS).

Para a presidente do CES, Sivalda Cunha, o momento é importante para fortalecer o controle social no SUS. "A última vez que se falou em políticas da saúde das mulheres foi há 30 anos e, de lá para cá, muita coisa mudou. A conferência vem para enraizar os direitos e a igualdade que as mulheres merecem na assistência ofertada pela saúde pública", ressaltou.

A primeira Conferência Nacional de Saúde e Direitos da Mulher aconteceu em 1986. Segundo o secretário de Estado de Saúde, Gastão Calandrini, as políticas de saúde no Amapá, relacionadas ao público feminino, têm avançado.

"Nós temos o banco de leite, temos uma rede de atendimento às mulheres vítimas de violência, temos portarias de inclusão do público LGBT, que podem usar o nome social nas unidades hospitalares, dentre várias outras políticas que possibilitam uma assistência mais equânime", frisou Calandrini.  

A Conferência Nacional será realizada de 17 a 20 de agosto, em Brasília, e tem como eixo principal a Implementação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres, contemplando a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres e as políticas de equidade das populações negra, LGBT, em situação de rua, do campo, da floresta e das águas.

Segundo a representante do Conselho Nacional de Saúde, Jani Capiberibe, a expectativa é de alinhar propostas mais efetivas. "Nós temos política hoje que não traz a efetividade que precisamos. O público feminino não se trata de apenas mulheres. As negras têm uma necessidade, as indígenas têm outras, assim como as que fazem parte do grupo LGBT. Nossa pretensão é alinhar tudo isso em uma política de saúde mais eficaz", explicou.

SESA - Secretaria de Estado da Saúde do Amapá
Av. FAB n° 069 - Centro. CEP: 68908-908. Macapá-Ap.
Site desenvolvido e hospedado pelo PRODAP
2015 - Licença Creative Commons 3.0 International

Amapá